Importância da Forma Física da Ração para Frangos de Corte

A forma física da ração e sua influência no desempenho das aves

Para que o frango de corte desenvolva todo o seu potencial genético de produção é necessário que ele tenha um consumo adequado de alimento. Neste sentido, a forma física da ração tem impacto significativo sobre o consumo de ração e consequentemente sobre o desempenho dos frangos de corte, conforme relatam vários trabalhos. O tamanho das partículas do alimento e sua forma física também influenciam na velocidade da digestão no trato gastrintestinal, sendo a velocidade de partículas maiores, mais lenta do que a de partículas menores, e a das dietas peletizadas, mais rápida do que a das fareladas.

Para os frangos de corte, temos três opções de forma física da ração: farelada, peletizada e peletizada-triturada.

No Brasil, o uso da ração farelada ainda é muito comum, pois nem todos os produtores de rações conseguiram investir em peletizadoras, no entanto, é possível obter ótimos índices de desempenho para frangos de corte quando a ração é uniforme e de granulometria mais grossa. Diferente do que encontramos nos trabalhos científicos, em que a ração peletizada-triturada e peletizada proporcionam um desempenho superior das aves quando comparadas a ração farelada, na prática, não são raras as situações em que encontramos resultados de campo melhores com o uso da ração farelada. Isso acontece devido à baixa qualidade do pellet.

A maior concentração de finos (partículas finas derivadas da degradação física dos pellets) na ração é muito mais prejudicial quando comparados ao fornecimento de uma ração farelada (uniforme e mais grossa) às aves. As rações fareladas mais grossas promovem o desenvolvimento e crescimento da moela, o que torna a digestão mais eficiente. É importante salientar que da mesma maneira que a baixa qualidade do pellet proporciona alta quantidade de finos na ração peletizada, tornando-se prejudicial ao consumo das aves, o mesmo ocorre quando temos uma ração farelada com partículas muito finas.

Forma Física da Ração - Nutrição Animal - Agroceres Multimix

Como mencionado, a forma física da ração tem um impacto significativo no consumo do animal e a qualidade do pellet é muito importante para garantir os ganhos da peletização. A baixa qualidade do pellet resulta na ocorrência de finos, causando efeito negativo no consumo de ração. De acordo com o gráfico abaixo, verifica-se que quanto maior a incidência de finos na ração, menor o peso vivo e maior a conversão alimentar.

Forma Física da Ração - Nutrição Animal - Agroceres Multimix

Gráfico: Efeito da qualidade do pellet sobre o desempenho de frangos de corte

A peletização melhora o ganho de peso e a conversão alimentar das aves, pois dentre os seus benefícios, exige menor esforço físico das aves para o consumo da ração, ocasionando em menor gasto energético e resultando em maior disponibilidade de energia destinada para a produção de carne.
A qualidade do pellet é influenciada por diversos fatores, sendo os mais significativos: a formulação, o condicionamento e a moagem dos ingredientes. Além disso, esses processos podem ser ajustados de acordo com a realidade de cada processo da fábrica de ração.
Em muitos trabalhos, a ração peletizada-triturada possui desempenho superior ao da ração peletizada, o que nos faz refletir sobre a importância da moela em triturar os alimentos. Independente da forma física da ração utilizada para frangos de corte, o importante é que a ração fornecida seja de qualidade e uniforme.

Agroceres Multimix. Muito Mais Que Nutrição.

Patricia Marchizeli

Patricia Marchizeli

Patricia Marchizeli é nutricionista de aves de corte na Agroceres Multimix.

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR...

4 Comentários

  1. lays disse:

    Quais fatores interferem na ingestão, digestão e utilização de alimentos em aves de postura e corte?
    Saberia me indicar algum estudo sobre?
    Desde já, obrigada.

    • Olá, Lays!

      Há varias teorias relacionadas à regulação da ingestão/consumo dos alimentos.
      Os mesmos podem ser regulados pelas exigências nutricionais para atender a mantença ou produção das aves, que podem ser influenciados por mecanismos físicos, fisiológicos e hormonais.
      O comportamento alimentar também é influenciado por fatores externos, como: condições ambientais, disponibilidade de água, constituintes e forma física da ração etc.
      Os mecanismos de digestão são determinados por suas características anatômicas e fisiológicas do sistema ou trato digestivo.
      O controle de consumo de alimento é exercido por um sistema fisiológico complexo, que não pode ser explicado pela ação de um fator isolado, portanto, dificulta a indicação de um estudo. Lembrando que há muito conteúdo disponível na literatura, para consulta sobre este assunto.

      Espero ter lhe ajudado.

  2. Ricardo disse:

    Boa noite PATRICIA MARCHIZELI, com o crescente custo dos insumos utilizados para fabricação de ração para aves, as empresas buscam formas de reduzir estes gastos e acabam tendo prejuízo em sua qualidade de pellet. Algumas pessoas recomendam tem uma moagem mais da ração farela mais grossa (do recomendado para peleização) para compensar a qualidade de pellets baixa. Esse método é eficiente, ou é apenas uma ilusão tentar compensar a falta de pellets com a moagem grossa ? Gostaria da sua opinião sobre o assunto.

    • Boa tarde, Ricardo! Obrigada pela pergunta.
      Para que se tenha uma boa qualidade de Pelete, recomenda-se uma moagem fina dos ingredientes. Uma moagem mais grossa trará economia de energia na sua moagem, porém a qualidade do Pelete pode ser afetada. É importante encontrar um equilíbrio entre o diâmetro geométrico médio(DGM) ideal – para uma boa qualidade de Pelete -, com um consumo razoável de energia.
      Espero ter sanado sua dúvida. Estamos à disposição para maiores esclarecimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *