LactAção: Principais afecções podais em rebanhos leiteiros

Afecções Podais: Principais em rebanhos leiteiros

No texto anterior da nossa coluna LactAção, discutimos sobre a importância e aplicabilidade do escore de locomoção em vacas leiteiras. Vimos a relevância de se identificar a prevalência dessas afecções (lesões), pontuá-las, e, a partir de então, colaborar na tomada de decisão.

Um programa de controle da saúde dos cascos deve apresentar uma abordagem estruturada, começando por um bom escore de locomoção e, posteriormente, uma avaliação das lesões. Com isso, estabelecemos os protocolos de tratamento e prevenção. Nesta segunda abordagem, iremos conversar sobre as principais lesões de casco que acometem as vacas*.

Identificar afecções específicas é fundamental para estabelecer protocolos de tratamento e prevenção. No passado, era comum que vários tipos diferentes de lesões nos cascos (doença da linha branca, úlcera de sola ou hemorragia) fossem identificados genericamente como laminite. Para identificar a causa da lesão e determinar o plano corretivo apropriado é fundamental ser mais específico e consistente.

Separar o casco em áreas específicas é fundamental para realizarmos uma correta identificação dos problemas. Abaixo, temos uma ilustração que utilizaremos nas lesões de que iremos abordar.

Post. Afecções Podais. Regiões do casco.

Solano et al. (2016) realizaram um estudo com quase 29.000 vacas em 156 fazendas, em que estabeleceram que as principais afecções que acometem esses rebanhos são a Dermatite Digital (15% dos animais; 94% dos rebanhos), seguida por Úlcera de Sola (6,0% dos animais; 92% do rebanho) e a Doença da Linha Branca (4% dos animais; 93% dos rebanhos). As primíparas e as vacas no terço inicial da lactação são mais susceptíveis à dermatite digital, do que as multíparas e as vacas no terço médio e final de lactação. As multíparas são mais susceptíveis à úlcera de sola e à doença da linha branca, quando comparadas as de primeira cria. A chance da vaca de quarta cria apresentar úlcera de sola e doença da linha branca é maior em 5 e 7 vezes (respectivamente), do que os animais de primeira lactação.

Lesões não infecciosas

Hemorragia de Sola: São pequenas hemorragias de coloração vermelha ou azulada nas regiões 4, 5 e 6. Podem ser decorrentes por imposição de elevadas taxas de crescimento, mudanças bruscas na dieta, estresse pós-parto e falta de conforto.

Post. Afecções Podais. Hemorragia de Sola.

Figura 1: Hemorragia de Sola (Fonte: ICAR Claw Health Atlas).

Úlcera de Sola: Também conhecida como Pododermatite, é uma lesão típica da sola (região 4) e que se desenvolve na altura da junção com o bulbo do casco. É caracterizada por lesão hemorrágica, mas ainda coberta por tecido córneo. Geralmente, está associada à Laminite Subclínica, comum em vacas leiteiras pesadas, mantidas em piso de concreto úmido e alimentadas com elevada quantidade de concentrado.

Post. Afecções Podais. Úlcera de sola.

Figura 2: Úlcera de sola (Fonte: ICAR Claw Health Atlas).

Doença da Linha Branca: A linha branca é um tecido córneo que delimita a parede da sola, e é ela que absorve o impacto da locomoção. A penetração de matéria orgânica provoca a sua degeneração, que pode ser leve (somente uma separação) ou severa (abcesso). Afeta as zonas 1, 2 e 3.

Post. Afecções Podais. Doença da Linha Branca.

Figura 3: Doença da Linha Branca (Fonte: ICAR Claw Health Atlas).

Lesões infecciosas

Dermatite Digital: Também conhecida como Mortellaro, é uma infecção da pele digital (zonas 9 e 10) de forma erosiva ou ulcerativa, podendo inclusive atingir os talões (proliferativa). Os animais afetados, geralmente, são acometidos por claudicação. O agente mais frequentemente isolado é o grupo de bactérias Spirochaetas. O principal fator de risco é a introdução de animais infectados no rebanho, seguida por más condições higiênicas (barro e fezes).  A elevada concentração animal, utilização de utensílios de casqueamento contaminados e presença de dermatite interdigital, podem colaborar para elevação de sua incidência no rebanho. Em algumas fazendas no Canadá, utiliza-se um pequeno espelho no momento da ordenha, para identificar a lesão.

Post. Afecções Podais. Dermatite Digital.

Figura 4: Dermatite Digital (Fonte: ICAR Claw Health Atlas).

Dermatite Interdigital: É uma inflamação superficial da epiderme, mais comum nas regiões 0 e 10. Apresenta elevada prevalência em locais de alta concentração animal, em que as condições ambientais favorecem o acúmulo de sujidades no local. Geralmente não causa claudicação, mas se não corrigida pode evoluir para uma dermatite digital e erosão dos talões. Seu tratamento se dá com antibiótico local e pedilúvio com sulfato de cobre.

Post. Afecções Podais. Dermatite Interdigital.

Figura 5: Dermatite Interdigital (Fonte: ICAR Claw Health Atlas).

Erosão de Talão: Consiste na destruição da epiderme bulbar (região 6) dos talões. Seu agente infeccioso principal é a bactéria Dichelobacter nodosus (a mesma da dermatite interdigital). A exposição a agentes (umidade excessiva, dejetos e abrasão do piso) provoca corrosão da queratina, levando à inibição de síntese de queratina no local e ocasionando erosão. Animais que apresentam talão baixo e pinça longa são mais predispostos. Casqueamento e pedilúvio são medidas de controle.

Post. Afecções Podais. Erosão de Talão.

Figura 6: Erosão de Talão (Fonte: ICAR Claw Health Atlas).

Com a identificação das lesões, é possível estabelecer um programa de controle das afecções podais com maior eficiência, otimizando assim, os recursos econômicos, humanos e de tempo, pois determina-se o melhor manejo para prevenção e tratamento. Com isso, garantimos animais mais saudáveis e, consequentemente, mais produtivos.

No próximo artigo iremos abordar sobre a laminite e o efeito da nutrição sobre a saúde dos cascos.

 *Carlos Giovani Pancoti – Médico veterinário e nutricionista de bovinos de leite da Agroceres Multimix.

Agroceres Multimix. Nutrição Animal.

Carlos Giovani Pancoti

Carlos Giovani Pancoti

Carlos Giovani Pancoti é nutricionista de bovinos de leite da Agroceres Multimix

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR...

1 Comentário

  1. Marco Velasco disse:

    Muito claras suas explicações. Legal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


3 + 7 =