Nutri&Aves – Eficiência no processamento da soja in natura: Importância do teste qualitativo de urease (teste rápido)

Importância do teste qualitativo de urease

A soja é um dos insumos de maior importância para a produção animal devido à alta quantidade de proteína bruta em sua composição (alimento proteico), em torno de 30 a 45%, também 15 a 25% de óleo (considerável valor energético), 20 a 35% de carboidratos e cerca de 5% de cinzas (MOREIRA, 1999). Possui alta concentração em aminoácidos – especialmente a lisina, muito importante para a nutrição de monogástricos, por isso hoje vamos falar sobre urease.

Segundo a Conab (Safra 2016/2017), o Brasil é o segundo maior produtor de grão de soja, com produção total de 113,923 milhões de toneladas. Contudo, a soja crua (in natura) deve ser processada antes de sua utilização na alimentação de monogástricos, devido fatores antinutricionais, tais como: inibidores de tripsina, inibidores de proteases, alcalóides, saponinas, hemaglutininas, taninos e glicosídios, que podem causar efeitos deletérios sobre os animais.

Os principais tipos de processamento da soja são: tostagem por tambor rotativo, tostagem por vapor úmido, tostagem por vapor seco, tostagem por “jet sploder”, micronização, extrusão úmida ou seca e microondas. No entanto, é preciso cuidado durante o processamento da soja, pois quantidades de calor insuficiente não eliminam adequadamente os fatores antinutricionais, além disso o superaquecimento pode resultar na destruição de alguns aminoácidos ou provocar reações que os tornam indigestíveis (Reação de Mailard).

Para monitorarmos a qualidade do processamento a qual submetemos o farelo de soja, existem algumas análises específicas, como: atividade ureática (IAU) e solubilidade proteica, pois as proteínas da soja sofrem influência do tratamento térmico do grão, sendo que sua solubilidade tende a ser reduzida à medida que se aumenta o tempo ou a temperatura de seu processamento.

O índice de atividade ureática (IAU) está baseado na liberação de amônia da ureia pela ação da enzima urease presente na soja (Ward, 1996). Isso causa uma mudança no pH da solução, que é expresso como um índice.

O IAU se baseia no principio de que o tratamento térmico, quando feito adequadamente, desnatura a enzima urease presente no grão de soja, servindo como indicativo de que os inibidores de tripsina também foram desativados (Borges et al., 2003). No entanto, a atividade ureática avalia apenas a qualidade da inativação dos fatores antinutricionais, não tendo valor para determinar se o processamento prejudicou ou não a qualidade da proteína da soja (Butolo, 2002).

O grão de soja cru apresenta atividade ureática de 2,0 a 2,5 (∆pH) (Butolo, 2002). No Brasil as indústrias estabelecem em média valores entre 0,03 e 0,16 (∆pH) para recebimento de farelo de soja (Goldflus, 2001). Entretanto a legislação federal (portaria n°7, de 09 de novembro de 1988) estabelece valores de atividade ureática entre 0,05 e 0,30 (∆pH) para utilização do farelo de soja na alimentação animal (MAPA, 2009).

A análise quantitativa de atividade ureática demanda maior trabalho e tempo para obtenção de resultado sobre a qualidade da soja, já o teste qualitativo (rápido) demanda menores quantidades de reagentes, menor trabalho e, principalmente, mais agilidade na obtenção de resultados, possibilitando a tomada de decisão imediata.

 

Objetivos do teste rápido de uréase:

  • Determinar a redução na atividade da enzima uréase (indicador da redução do fator antinutricional) presente no grão de soja;
  • Verificar a eficiência dos processamentos da soja integral por um processo simples e rápido.

No teste qualitativo da uréase ocorre a mudança no pH do meio, devido à hidrólise da molécula de ureia pela uréase presente no farelo de soja (ou outro produto de soja), liberando amônia e, consequentemente, deixando-a com uma coloração rosa-avermelhada). Ou seja, quanto mais pigmentada a amostra, quando em contato com o reagente, maior o indicativo da presença dos fatores antinuticionais na amostra.

Procedimento:

  • Coletar a amostra a ser testada na saída dos resfriadores. Se ainda estiver um pouco quente, deixá-la esfriar até chegar à temperatura ambiente;
  • Pipetar aproximadamente 10 mL da solução (preparo da solução 2 horas), colocando sobre a soja na placa de Petri, de forma a embeber a amostra totalmente e uniformemente;
  • Tampar imediatamente as placas e deixar em repouso durante 5 minutos;
  • Após 5 minutos, virar a placa e comparar a quantidade de pontos coloridos da amostra (exemplo abaixo).

Padrões de Comparação para o teste de urease em soja extrusada:

Urease - Agroceres Multimix Nutrição Animal

Urease - Agroceres Multimix Nutrição Animal

Considerações Finais:

Diante da importância da soja no contexto da alimentação animal, notamos que sua qualidade nutricional deve ser mantida e controlada, devido aos fatores intrínsecos desse alimento, como os antinutricionais.

Desta forma, para a avaliação dos tratamentos realizados com a soja, o teste qualitativo de uréase demonstra ótima eficiência e, principalmente, agilidade para obtenção de informação sobre a qualidade da soja.

Agroceres Multimix. Nutrição Animal.

 

Referências Bibliográficas:

BORGES, S.A; SALVADOR, D.; IVANOVSKI, R.A. Utilização da soja desativada na dieta de monogástricos. In: SIMPÓSIO SOBRE NUTRIÇÃO DE AVES E SUÍNOS, Cascavel, PR. Anais…CBNA, p.21-66, 2003.

BUTOLO, J.E.; Qualidade de Ingredientes na Alimentação Animal. Colégio Brasileiro de Nutrição Animal, Campinas, SP. 430p, 2002.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Levantamento de acompanhamento da safra brasileira de grãos 2016/2017. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/17_07_12_11_17_01_boletim_graos_julho_2017.pdf). Acesso em: 19/07/2017.

GOLDFLUS, F. Ingredientes derivados do processamento da soja aplicados na nutrição animal. In: SIMPÓSIO DOBRE MANEJO E NUTRIÇÃO DE AVES E SUINOS E TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE RAÇÕES, Campinas, SP. Anais… CBNA, p.97-188, 2001.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SISLEGIS – Sistemas de Legislação Agrícola Federal. Disponível em HTTP://extranet.agricultura.gov.br/sislegis. Acesso em 19/07/2017.

MOREIRA, M. A. Programa de melhoramento genético de qualidade de óleo e proteína da soja desenvolvida na UFV In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOJA, 1999, Londrina. Anais… Londrina: Embrapa Soja, 1999. p. 99-104.

WARD, N.E. Quality considerations for soybean meal. American Soyb.

Luana Jorge

Luana Jorge

Luana Gabrielle de Oliveira Jorge é Assistente Técnica de Nutrição da Agroceres Multimix

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR...

2 Comentários

  1. Caique Eduardo disse:

    Acaso a amostra aponte pintas, o teste deve ser refeito ou deve fazer apenas uma vez?

    • Luana Jorge Luana Jorge disse:

      Olá, Caique!

      O intuito do teste é a verificação da qualidade do processamento de inativação da enzima urease.
      Sendo assim, o ideal seria que, em 5 minutos de contato da amostra+soluçãoB, não aparecesse nenhuma pintinha vermelha. No entanto, no caso do aparecimento de pintinhas vermelhas ao longo desse período de 5 minutos, significa que o processamento da soja não foi eficiente e ainda existem enzimas na amostra, das quais reagirão com a ureia mudando o pH e, consequentemente, a cor.

      Espero tê-lo ajudado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *